Cuidado ao analisar números. Eles podem dizer o que você quer que eles digam.

Por Aldo De Luca | MediaTalks Londres 


Um dos mais importantes  jornalistas de dados do Reino Unido, Tim Harford ensina em seus livros e em uma aula online apresentada pelo Instituto Reuters de Estudos do Jornalismo da Universidade de Oxford técnicas para que os profissionais de imprensa não sejam enganados pelas análises das estatísticas. 

E dá como exemplo o próprio erro − que teve grande repercussão nos jornais britânicos − de comparar a probabilidade de morrer de Covid-19 com a de morrer tomando banho. 

Cada vez mais as notícias são dominadas por estatísticas, seja em torno da Covid-19 ou em temas como mudança climática e crise econômica. No momento em que o jornalismo de dados assume papel vital nas redações, uma pesquisa nos Estados Unidos mostra que somente 25% dos jornalistas norte-americanos sentem-se muito bem preparados para analisar estatísticas entregues por fontes. E apenas 11% dizem-se muito bem capacitados para lapidá-las a partir de suas apurações. 

O estudo, elaborado pelo Shorenstein Center on Media, Politics and Public Policy em Harvard e divulgado pelo Nieman Lab, apresentou o seguinte resultado:

 

As lições de Tim Harford, o papa do jornalismo de dados britânico 

Em seminário promovido eem setembro de 2020 pelo Instituto Reuters, Tim Harford deu importantes recomendações sobre como analisar os números e as estatísticas cada vez mais abundantes. Colunista do Financial Times e apresentador do programa More or Less da BBC Radio 4, ele é autor de vários livros, entre eles The Undercover Economist. 

 

As lições não se aplicam apenas ao mundo dos dados, mas à vida em geral. Ele disse: 

“Pensar claramente sobre as estatísticas exige o mesmo treinamento mental requerido para pensar com clareza sobre qualquer outra coisa”. 

Veja a seguir as seis principais dicas que ele enfatizou na palestra, que fazem parte de seu novo livro How to Make the World Add Up:

1.Evite que suas teses e convicções afetem a análise (ou: se você quiser acreditar em algo, vai acreditar mesmo que a evidência seja falsa)

Harford enfatizou que nossos preconceitos geram uma tendência de assimilação enviesada, dificultando nossa capacidade de receber novas informações de maneira objetiva. Em geral, temos mais facilidade de aceitar argumentos alinhados com nossas convicções e tendemos a  refutar aqueles contrários ao que acreditamos.

Por isso, ele ressalta que o fundamental é manter a mente aberta, abandonando ideias preconcebidas e pensando claramente com raciocínio crítico, no qual todas as evidências são analisadas com o mesmo peso, de maneira cética e imparcial.

Como exemplo, ele apresenta o caso daquela que é considerada a mais famosa falsificação da história da arte holandesa, o quadro Supper at Emmaus, que foi erroneamente atribuído em 1937 ao mestre Johaness Vermeer pelo maior expert em arte holandesa da época, Abraham Bredius. Em 1947 descobriu-se a fraude, e seu autor, Han Van Meegeren, foi preso e condenado. 

No vídeo, Harford apresenta os elementos objetivos que permitiriam a um expert identificar facilmente a fraude. E demonstra que Bredius foi levado ao erro por querer acreditar que estava diante de uma obra-prima do mestre, com elementos que confirmariam algumas teses que o expert tinha sobre Vermeer.

2. Evite que suas emoções em relação ao tema ou à fonte interfiram na avaliação

De forma semelhante aos preconceitos, as emoções também podem nos trair ao analisarmos dados. O raciocínio emocionalmente orientado pode fazer você perder a objetividade em função do que  sente em relação ao tema ou à fonte dos argumentos.

Por isso, estar ciente do próprio estado emocional é um importante hábito mental na busca de uma precisa análise de dados. Harford aconselhou os jornalistas que receberem estatísticas, ou outras formas de informação, a se perguntarem, antes de qualquer avaliação: 

“Como me sinto a respeito dessa fonte? Qual é a minha reação emocional ao que acabei de ouvir?” 

Embora admita que seja impossível superar completamente nossas reações, ele recomenda ficar calmo e perceber como nos sentimos antes de interagir com os dados. 

Ele enfatizou que estar consciente sobre o próprio estado emocional em relação ao tema é um importante hábito mental a ser mantido em todas as ocasiões, desde o ato de retuitar um post até a decisão de realizar ou não uma reportagem sobre determinado assunto. 

Como exemplo, citou como foi traído por sua reação emocional em uma ocasião recente. Contou que ao receber um tuíte a respeito do casamento entre pessoas do mesmo gênero sua reação emocional favorável ao tema fez com que o retuitasse imediatamente, sem analisá-lo detidamente. Logo em seguida, foi alertado por um de seus seguidores de que os eixos do gráfico levavam a conclusões errôneas.

3. Evite que a expectativa pelo resultado desejado atue como filtro que afeta a avaliação

O jornalista falou do clássico estudo de dois cientistas políticos, Charles Taber e Milton Lodge, que analisaram o efeito do raciocínio motivado sobre as análises. Trata-se da tendência de buscar ou dar mais peso a argumentos a favor das conclusões que mais interessam a quem faz a análise.

Para demonstrar esse efeito, Harford mostra as conclusões de um experimento em que dois grupos, assumindo o papel de “padeiros” e de “fazendeiros”, analisam os mesmos gráficos de preços do trigo e são desafiados a fazer projeções de sua evolução. Como resultado, demonstrou-se que o desejo subjetivo de aumento, no caso dos “fazendeiros”, e de diminuição, no caso dos “padeiros”, influencia no processo de análise que deveria ser apenas objetiva de cada grupo.

4. Tenha em mente que mais instrução ou mais informações não representam necessariamente melhor análise. Ou, segundo Molière:

“Um tolo instruído é mais tolo do que um tolo ignorante”

Usando a frase de Molière, Harford demonstrou que nível elevado de instrução ou maior quantidade de informações não levam necessariamente à análise mais precisa dos dados. A instrução elevada muitas vezes pode oferecer apenas maior capacidade de encontrar argumentos; e a maior quantidade de informações, apenas mais chances de pinçar dados a fim de chegar à conclusão que se quer ou reforçá-la. 

Como exemplo, citou um estudo nos Estados Unidos, inicialmente com dois grupos, um de republicanos e outro de democratas, a respeito de suas opiniões sobre a mudança climática. Como resultado, os democratas se mostraram muito preocupados e os republicanos pouco preocupados. 

Num segundo experimento, cada grupo foi dividido em dois subgrupos: de mais e menos instruídos, passando-se a todos o mesmo volume de informações objetivas. Como resultado, os dois subgrupos mais instruídos tomaram posições ainda mais afastadas, enquanto os subgrupos menos instruídos convergiram, apesar de suas posições políticas diferentes. 

A conclusão: em vez de usar a maior instrução ou o maior volume de informações disponíveis para questionar suas crenças, as pessoas que não usam o pensamento crítico tendem a reforçá-las.

5. Cuidado ao expor na matéria não apenas a conclusão principal, mas também suas implicações. Lembre de que você pode dizer o que quiser, mas os outros podem enfatizar a parte que quiserem.

Para ilustrar, Harford contou sobre o maior erro que cometeu em sua carreira. A pedido de um amigo, na faixa de 60 anos, calculou qual o risco que ele teria de contrair o novo coronavírus e morrer ao pegar o metrô em Londres para ir à academia. A resposta para seu amigo, correta, foi a de que ele tinha 1 chance em 2 milhões de morrer a cada dia que fosse à academia.

Motivado por esse episódio, o jornalista escreveu um artigo para sua coluna no Financial Times republicada por outros veículos sobre o risco diário de os londrinos morrerem de Covid-19. Depois de vários parágrafos, no penúltimo Tim resolveu comparar o risco de morte pelo novo coronavírus com o de outras atividades. 

Com base nas fontes pesquisadas, disse que o risco seria aproximado ao de andar a cavalo, esquiar ou tomar banho. E consideravelmente menor do que o de mergulhar ou saltar de para-quedas.

Para sua surpresa, o Financial Times enfatizou no subtítulo o fato de o risco de morrer pelo coronavírus seria igual ao de tomar banho. Em seguida, esse detalhe do pé da coluna virou manchete no The Sun e virou destaque no noticiário em geral, até que o The Times o convidou para escrever um artigo especificamente sobre essa comparação.

Tim foi revisar os dados e descobriu que a fonte em que se baseara estava errada, induzindo-o ao erro de comparar uma probabilidade anual com uma diária (1 para 3 milhões por ano no caso do banho contra 1 para 2 milhões por dia no caso do vírus).

6. É surpreendente? Seja cuidadoso. Um dado errado sempre é uma novidade em relação aos dados rotineiros. Mas nem por isso é notícia.

Para ilustrar essa última lição, Harford  reforça que o maior erro de sua carreira foi também o que gerou maior repercussão. Tudo porque seria realmente surpreendente o fato de o risco de morrer por Covid-19 ser igual ao de tomar banho.

“Muitas dos fatos que relatamos como jornalistas, relatamos porque são surpreendentes. Podem ser surpreendentes porque são realmente novidade. Ou podem ser surpreendentes porque estão simplesmente errados”, ressalta o jornalista.

Por isso, ele recomenda uma revisão bem criteriosa sempre que a análise de dados resultar em conclusões surpreendentes: 

“Como jornalistas, temos a eterna dificuldade de captar a atenção das pessoas e ao mesmo tempo de explicar corretamente os fatos. Geralmente, o que capta a atenção delas são fatos que as deixam sentir reações emocionais, como riso, lágrimas, raiva, surpresa. E, para explicar os fatos, as estatísticas são as que mais ajudam a nos aproximarmos da verdade. O tempo todo temos que aplicar o filtro do que é interessante, mas com muito cuidado, porque erros sempre serão interessantes, por serem surpreendentes”.

Tim Harford, concluiu a palestra com um final surpreendente a respeito da falsificação do quadro de Vermeer. Mas isso já é outra história, que você pode conferir, junto com a íntegra da palestra, neste vídeo do Instituto Reuters.

E se quiser saber mais, aqui o link para o artigo publicado no The Guardian com base no novo livro.  


Aldo De Luca,  Conselheiro e colaborador do MediaTalks byJ&Cia, é jornalista brasileiro radicado em Londres. Formado em Jornalismo pela UFF (Universidade Federal Fluminense), foi repórter especial do jornal O Globo em 1987 e 1988. Fundou junto com Luciana Gurgel a agência Publicom, que se tornou uma das maiores empresas do setor no Brasil e em 2016 foi adquirida pela WeberShandwick (IPG Group).  Além de jornalista,  é Engenheiro pela UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro). Integra a  FPA (UK Foreign Press Association). 

 

Gostou do que leu aqui? Comente. Compartilhe. O debate sobre os rumos do jornalismo é fundamental para a sociedade.