Começou no dia 29 de março e vai até 25 de abril o curso gratuito online Cobertura da Vacina Covid-19 − o que os jornalistas precisam saber, oferecido pelo Centro Knight para o Jornalismo nas Américas, na Universidade do Texas. As inscrições continuam abertas.

Os participantes podem acessar as aulas (com legendas em português) nos dias e horários mais convenientes. São quatro módulos por semana.

O treinamento, desenvolvido em parceria com Unesco, PNUD e OMS, é cofinanciado pela União Europeia. Ao final, os participantes receberão certificado de conclusão emitido pela instituição, fundada e dirigida pelo brasileiro Rosental Calmon Alves. E passarão a integrar uma rede global de jornalistas que cobrem a Covid-19, podendo compartilhar percepções e experiências.

O curso é aberto não apenas a  jornalistas especializados em ciência e saúde, mas também a profissionais de outras editorias. O programa inclui orientações para lidar com a desinformação e os mitos em torno das vacinas contra a Covid-19, que persistem apesar de todos os esforços.

Nos Estados Unidos, um grupo de entidades criou a campanha #YaBastaFacebook, para pressionar a plataforma a atuar com mais energia sobre a desinformação a respeito do coronavírus em espanhol. 

Foto: Knight Center

“Mesmo que você não esteja cobrindo as campanhas de vacinação em seu país no momento, este curso é para você. É para todos nós! É difícil imaginar um tema mais importante neste momento do que a vacina contra a Covid-19 e outros esforços para acabar com a pandemia”, diz Rosental. 

“Este curso multilíngue ajudará jornalistas de todo o mundo que estão tentando entender melhor a ciência por trás das vacinas contra a Covid-19, a implementação e distribuição de cada vacina, desinformação sobre as vacinas e muito mais”, disse Mallary Tenore, diretora associada do Centro Knight para o Jornalismo nas Américas. 

O curso online aberto e massivo (MOOC) será ministrado pela jornalista de saúde e ciência Maryn McKenna, especializada em  saúde pública, saúde global e política alimentar. Ela também atua como pesquisadora sênior do Centro para o Estudo da Saúde Humana na Emory University, onde ensina redação e narrativa sobre saúde e ciências.

As inscrições podem ser feitas aqui.

Leia também: Pesquisa mostra disparada de fake news contra vacina Covid-19 na França, que enfrenta novo surto da doença
Sobre a instrutora do curso

McKenna publicou os livros Big Chicken: The Incredible Story of How Antibiotics Created Modern Agriculture and Changed the Way the World Eats [Galinha grande: A história incrível de como os antibióticos criaram a agricultura moderna e mudaram a forma como o mundo come], Superbug e Beating Back the Devil [Vencendo o diabo]. Sua palestra no TED em 2015, O que fazemos quando antibióticos não funcionam mais?, foi vista 1,8 milhão de vezes e traduzida para 34 idiomas.

André Biernath (Foto: Twitter)

Ela será acompanhada por instrutores assistentes específicos para cada idioma. André Biernath, jornalista de ciência da BBC Brasil, será o instrutor assistente em português; Federico Kukso, jornalista de ciência e autor argentino, será o instrutor assistente de espanhol; e Yves Sciama, jornalista de ciência da França e vice-presidente da Associação Francesa de Jornalistas Científicos, será o instrutor assistente de francês.

O MOOC contará com aulas de McKenna, complementadas por entrevistas com palestrantes convidados, materiais de leitura, fóruns de discussão e testes. Os palestrantes convidados incluem a virologista especialista em coronavírus Angela Rasmussen; Kate O’Brien, da Organização Mundial da Saúde; e Deepak Kapur, presidente do Comitê Nacional Indiano PolioPlus do Rotary International.

O programa 

Os quatro módulos semanais vão cobrir questões de relevância global sobre as vacinas contra a Covid-19. 

  1. O desenvolvimento e a tecnologia por trás das diferentes vacinas que foram lançadas e que estão sendo criadas.
  2. Aquisição e distribuição de vacinas em todo o mundo, incluindo “nacionalismo da vacina” e questões de equidade.
  3. Hesitação em relação a vacinas e ativismo antivacinação, bem como desinformação contra vacinas
  4. Imunidade da população, uso de máscaras pela comunidade e medidas de distanciamento social e as variantes emergentes
Foto: Knight Center

“Estamos oferecendo este curso justamente porque as vacinas contra a Covid-19 e as campanhas de vacinação são desafiadoras”, disse McKenna. Há muitos aspectos novos, independentemente da experiência profissional.

Eu sou uma jornalista de ciência, mas antes deste ano nunca tive que pensar profundamente sobre a logística das cadeias de abastecimento. No ano passado, jornalistas de todo o mundo dedicaram-se a adquirir novos conhecimentos muito rapidamente para cobrir todos os aspectos da pandemia. Neste ano 2, enfrentamos um desafio semelhante com as vacinas. Estamos aqui para ajudar”.

Para se manterem atualizados com a cobertura das vacinas Covid-19, que muda rapidamente, os alunos terão a vantagem dos fóruns de discussão para interagir com McKenna, com instrutores assistentes e uns com os outros.

“Os fóruns não são apenas espaços sociais. Também são lugares onde os jornalistas participantes podem compartilhar as últimas notícias de seus países e pedir conselhos de colegas sobre a melhor forma de abordar a cobertura”, disse McKenna.

Embora as aulas possam ser acompanhadas nos dias e horários de conveniência dos participantes, são recomendados prazos semanais para completar as atividades. 

Os alunos que concluírem com sucesso os requisitos do curso têm a opção de pagar uma taxa administrativa de US$ 30 para receber um certificado de conclusão em formato PDF. O Centro Knight avaliará os casos de alunos que precisarem de isenção dessa taxa. Nenhum crédito formal da faculdade está associado ao certificado.

Este é o segundo curso relacionado à pandemia que McKenna ministra para o Centro Knight. O primeiro, Jornalismo na pandemia: Cobertura da COVID-19 agora e no futuro, ocorreu entre 4 e 31 de maio de 2020 e atraiu cerca de 9 mil estudantes de 162 países. 

Leia também: 

Médico que defendeu cloroquina no Brasil é destacado em pesquisa mostrando aumento de fake news na França