Hoje, 7 de abril, não é Dia do Jornalista em todo o mundo. A data global é  8 de setembro. O Dia Internacional do Jornalista foi instituído em homenagem ao jornalista e escritor tcheco Julius Fucik, fuzilado pelos nazistas nessa data. A homenagem foi instituída pela Organização Mundial de Jornalistas (OIP), em 1950.

Fucik atuou como líder da resistência antinazista na antiga Tcheco-Eslováquia. Ele foi capturado pela Gestapo e fuzilado em 1943, antes do final da Segunda Guerra Mundial. Durante seu cativeiro, ele escreveu o livro Relatório ao pé da forca, no qual além de descrever suas experiências durante o cativeiro, reflete sobre o o papel a ser desempenhado por um jornalista.

Alguns países, incluindo o Brasil, instituíram também datas nacionais.

Na Colômbia é comemorado em 9 de fevereiro, em comemoração à primeira circulação do primeiro semanário em 1791.

Na Argentina é comemorado em 7 de junho em homenagem à publicação do primeiro jornal da fase de independência “Gazeta de Buenos Ayres” em 1810.

No Uruguai é comemorado em 23 de outubro, em comemoração ao nascimento da imprensa uruguaia em 1815.

Homenagem a Libero Badaró

Ao contrário de seus vizinhos sul-americanos, o Brasil não escolheu a data da circulação de seu primeiro jornal como marco para comemorar a data.

A escolha é uma homenagem a Giovanni Battista Libero Badaró, médico e jornalista. Dono do jornal Observador Constitucional, ele foi um importante protagonista na luta pelo fim da monarquia portuguesa e pela independência do Brasil. Sua morte no dia 22 de novembro de 1830, em São Paulo, é atribuída a inimigos políticos.

Por que a data é 7 de abril?

O movimento popular gerado a partir da morte de Badaró levou D. Pedro I a abdicar do trono em 1831, no dia 7 de abril. Muitos historiadores consideram que a independência do Brasil só se tornou efetiva a partir daí.

Em 1931, cem anos depois da abdicação, a Associação Brasileira de Imprensa (ABI) instituiu o Dia do Jornalista.

A data também faz referência à fundação da própria ABI, que foi criada em 7 de abril de 1908, cem anos depois da instação da imprensa no Brasil. Foi idealizada pelo jornalista Gustavo Lacerda. 

Outras comemorações no Brasil

No Brasil há outras datas celebrando a profissão. No dia 16 de fevereiro é comemorado o Dia do Repórter, e no dia 1 de junho o Dia da Imprensa.

Aliás, essa data do Dia da Imprensa no Brasil era comemorada anteriormente em 10 de setembro. Era uma homenagem à Gazeta do Rio de Janeiro, um periódico oficial que servia à Corte, o primeiro jornal impresso no país que passou a circular em 10 de setembro de 1808. Até esse ano, eram proibidas a circulação e a impressão de qualquer tipo de jornal no país.

Mas já havia um jornal impresso em Londres que entrava clandestinamente: era o Correio Braziliense, de um perfil doutrinário, e não noticioso, produzido pelo jornalista Hipólito da Costa. Somente em 1999, Hipólito foi reconhecido oficialmente como pioneiro na história da imprensa brasileira e foi criada uma lei que determinou a mudança do dia da Imprensa para 1º de junho.

Outras comemorações no mundo

A partir de 1993 passou-se a comemorar em 3 de maio o Dia Mundial da Liberdade de Imprensa, instituído pela ONU.

E vinte anos depois, em 2013, a ONU também instituiu o Dia Internacional pelo Fim da impunidade de crimes contra jornalistas, que passou a ser comemorado no dia 2 de novembro.

 

Leia também: 

No Dia do Jornalista, Brasil lidera em jornalistas mortos por Covid-19

 

Direitos autorais reservados. Reprodução no todo ou em parte autorizada desde que citados a fonte e o autor, com link para o artigo original.